Blocos cerâmicos de diferentes dimensões trazem melhor desempenho para a edificação.

          O mercado paraibano está atento às exigências da NBR 15.575 (Norma de Desempenho). Prova disso é o aumento da procura pelo sistema racionalizado de vedação. Utilizando blocos cerâmicos ao invés de tijolos convencionais, o método de construção da alvenaria oferece mais conforto termoacústico. Enquanto os tijolos têm, internamente, três paredes e dois furos pequenos, os blocos apresentam, por dentro, quatro paredes e três furos, sendo um deles maior que os demais. Neste septo mais largo, somado ao número maior de paredes nos blocos, tanto o som quanto o calor perdem força, proporcionando conforto acústico e térmico.

            De acordo com Ivana Santiago, diretora comercial da Cincera, indústria paraibana de cerâmica vermelha, a empresa registrou, em 2015, 40% de aumento nas vendas de blocos cerâmicos para vedação. Embora o valor unitário do bloco seja 40% ao de dois tijolos, a economia na obra é notável, quando analisados o menor gasto com argamassa, o aumento de produtividade e a redução de resíduos gerados na construção. Dispostos na direção vertical, os grandes furos dos blocos cerâmicos de vedação são usados, também, para passar a instalação elétrica e hidráulica das edificações, reduzindo a quebra do produto.

                A variação nos formatos das peças traz menos geração de entulho e mais economia em argamassa. Há três tipos de blocos na família de vedação, com dimensões de 14x19x19, 14x19x39 e 9x19x19. Existem quatro opções para suprir os espaços menores, as unidades compensadoras, que possuem dimensão de 4x19x14,  9x19x14, 9x19x9 e 4x19x9. E ainda é possível encontrar, no mercado, blocos para caixa elétrica, com dimensão de 9x19x39. Estas unidades vêm com uma das faces cortadas em dois locais, permitindo o encaixe paralelo de duas caixas elétricas.

           Outro aspecto do sistema racionalizado está relacionado ao aumento de produtividade. “Com as ferramentas e o treinamento adequado, cada colaborador tem autonomia para trabalhar sozinho, em uma unidade de empreendimento vertical multifamiliar. Em um prédio com quatro apartamentos por andar, é possível ter apenas um pedreiro trabalhando, na alvenaria de cada unidade, enquanto um auxiliar prepara a massa para os quatro”, exemplifica Ivana.

      Ela explica que, como o sistema adota uma forma de construção diferente da convencional, perceptível até na maneira de rejuntar os blocos em comparação aos tijolos, ter mão de obra especializada ou treinada é indispensável. 

             Os blocos são organizados em mini paletas. Cada carga sai da fornecedora com até 120 conjuntos de peças cerâmicas, que podem ser compostos, individualmente, por: 40 unidades de 14x19x19, 20 unidades de 14x19x39 ou 52 unidades de 9x19x9 (blocos de vedação). Um conjunto com bloco para caixa elétrica pode ser até 26 peças, enquanto que as unidades compensadoras saem em grupos de 140, 80, 104 e 182 peças, com dimensões, respectivamente, de 4x19x14, 9x19x14, 9x19x9 e 4x19x9. 

 

Texto: Modificado de Herbert Clemente

Foto: Herbert Clemente

Fonte: Revista Edificar