A revista Edificar do mês de Maio já está disponível! E essa edição contemplou matéria do Sindicer/PB, valorizando o produto cerâmico e reafirmando a utilização da cerâmica vermelha como solução construtiva, que garante obra limpa, barata e de maior qualidade.

Essa matéria faz parte da campanha do Sindicato para o fortalecimento do produto cerâmico e conta com o apoio de parte de seus associados: Cerâmica Carnaúba, Cerâmica Ceramina, Cerâmica Cincera, Cerâmica Salema, Cerâmica Santa Bárbara e Cerâmica Santa Cândida.

salema_psq_site_21.png.600x10000000_q1001-600x340.png

Leia a matéria que saiu na revista na íntegra abaixo. Ou veja a íntegra na revista pelo link: http://revistaedificar.com.br/edicoes/ 


"Cerâmica Vermelha

Boa solução construtiva, garante obra limpa, barata e de maior qualidade

 

Na Paraíba, a indústria de cerâmica vermelha investe em tecnologia e consultoria para melhoria dos produtos, obtendo certificações do INMETRO, do Programa Setorial de Qualidade Cerâmica Vermelha (PSQ), do Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQPH). O setor está apto para fornecer às empresas de construção civil blocos, que permitem maior eficiência na execução dos projetos, elevando o nível de desempenho das edificações.

A alvenaria de vedação racionalizada é a tecnologia construtiva cujo componente é o bloco modulas com furos na vertical, o que permite a passagem de instalações elétricas e hidráulicas no seu interior, evita quebras, diminui o desperdício de materiais, gera menos resíduos na execução do serviço. Há uma família de blocos com tamanhos e funções variadas, o que eleva a produtividade da mão de obra e deixa o conteiro mais limpo.

Já sistema de alvenaria estrutural permite a substituição de colunas e vigas de concreto armado por blocos cerâmicos e, também elimina o uso da madeira, economiza material e mão de obra, além de permitir a instalação de tubulações durante o processo de levantamento das paredes e reduzir o custo total da obra em até 20%.

O transporte do bloco em palete é mais fácil descarregar o produto na obra e transportá-lo internamente, para aonde vai ser utilizado. Outro aspecto é que a argamassa de assentamento tem melhor rendimento na sua aplicação e, ainda, como há maior controle das atividades, a edificação final é de mais qualidade.

Disseminada em todas as regiões da Paraíba, a indústria ceramista tem capacidade de atender à demanda regional,numa linha diversificada, composta por tijolos, blocos de alvenaria estrutural e de vedação, lajes, telhas e produtos especiais para pavimentação, para churrasqueiras e para revestimento.

A produção da cerâmica vermelha causa menos danos ao meio ambiente e resulta em um espaço construído com conforto térmico e acústico. E, assim contribui para a sustentabilidade do negócio e do meio ambiente.

Benefícios:

Redução de perdas e do volume de entulhos; Redução das espessuras dos revestimentos; Elevação da produtividade da mão de obra; Integração com sistemas complementares; Mais conforto acústico e térmico; Redução do custo global da obra; Maior velocidade de execução; Maior resistência da parede; Mais economia de material; Menos risco de patologias."

 

Matéria: Revista Edificar, ed. maio 2016

Imagem: Sindicer/PB