Em 2014, o empresário João Neto aceitou o desafio de presidir o Sindicato da Indústria Cerâmica Vermelha da Paraíba (Sindicer/PB). Recentemente assumiu também a vice-presidência da Associação Nacional da Indústria Cerâmica (Anicer), além da diretoria do Programa Paraibano de Qualidade (PPQ). Formado em Administração e especialista em Gestão de Projetos, João Neto iniciou sua trajetória profissional na cidade de Rio Tinto, interior da Paraíba.

Com experiência de 12 anos no setor, o empresário paraibano não se intimidou com a crise econômica do país e segue apostando em novos projetos e iniciativas. Na entrevista concedida à Agência CNI de Notícias, João Neto disse que a parceria entre sindicados, federações de indústrias, CNI e Anicer tem dado bons resultados. Ele falou também sobre a importância da Rede Sindical da Indústria Cerâmica e sobre como a tecnologia tem facilitado a sua gestão no Sindicer. Leia na íntegra:

Agência CNI de Notícias – Apesar de todas as dificuldades que a Indústria e o Brasil vêm enfrentando, o Sindicer (PB) segue atuando ativamente e desenvolvendo novos projetos e parcerias. Conte-nos um pouco sobre o “Casa Cerâmica”:

João Neto – Alguns projetos têm a capacidade de inspirar o crescimento, mesmo em momentos de incertezas, e a Casa Cerâmica é um desses. É uma importante ação para a movimentação do mercado, por ser um modelo de negócio em construção racionalizada, que gera economia através do sistema construtivo em blocos cerâmicos estruturais.

A Casa Cerâmica é um modelo eficiente, de baixo custo, praticidade e racionalização que atende aos requisitos das Normas de Desempenho de forma competitiva. A planta utilizada no projeto foi a mesma utilizada pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU), demonstrando o potencial do material para as famílias de baixa renda, com um produto de alta qualidade.

O Sindicer/PB e a Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (FIEP) integraram o projeto, liderado pelo Sindicato da Indústria da Cerâmica para Construção do Estado de São Paulo (Sindicercon). Desde a sua primeira edição, em 2006, a Casa Cerâmica é o estande mais visitado da Feicon/Batimat, evento referência para o setor da construção civil na América Latina. Isso demonstra que o mercado preza por propostas de qualidade, tecnicamente consolidadas e, ao mesmo tempo, econômicas.

Projetos sustentáveis, com o apoio coletivo, que trazem retorno de imagem e mercado para os investidores, conseguem atravessar períodos de crise e trazem o desenvolvimento mesmo com a instabilidade que enfrentamos no momento. Precisamos, cada vez mais, mobilizar os nossos sindicatos em ações conjuntas para fortalecer o nosso produto em todo país. Todos saem ganhando no final.


Agência CNI de Notícias – Você assumiu recentemente a vice-presidência da Associação Nacional da Indústria Cerâmica (Anicer).  Como a articulação entre os sindicatos, as federações, a Anicer e a CNI pode contribuir para o fortalecimento do setor cerâmico?

João Neto – Exatamente. Em abril deste ano, foi a posse da nova diretoria da Anicer, que conta com Natel Moraes - também presidente do Sindicer/MS - como presidente. Uma curiosidade é que foi durante o 1º Intercâmbio de Lideranças Setoriais da Indústria Cerâmica, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 2014, que comecei a me aproximar do Natel, assim como de diversos outros líderes do nosso setor.

A Anicer atua como uma agregadora do setor cerâmico no país, norteiando o trabalho dos sindicatos empresariais e unindo seus dirigentes e associados para a uma discussão comum acerca do crescimento do setor. A Anicer foi criada por esses ceramistas, se mantém ativa pela sua participação e é para eles que dedica seu dia a dia, ao longo dos últimos 24 anos.

Através dos projetos da CNI, os sindicatos ganharam maior força e integração. E do mesmo modo que a força do sindicato é resultado da união das empresas, a Anicer também cresce e se aprimora com o fortalecimento dos sindicatos.

Com cerca de 5% do Produto Interno Bruto (PIB) da construção civil, o setor cerâmico tem forte impacto na interiorização da indústria e no crescimento uniforme da nação. Juntos, a CNI, as federações, os sindicatos e a Anicer podem transformar a realidade do nosso setor e garantir o crescimento sustentável de todo o país com mais moradia, trabalho e renda, e, principalmente, com construções de maior qualidade.


Agência CNI de Notícias – Muitos empresários jovens não têm demonstrado interesse em assumir a liderança dos sindicatos. O que te motivoua assumir o Sindicer/PB? Qual a principal marca de sua gestão?

João Neto – Há doze anos, comecei minha vida junto ao setor cerâmico. Neste período, conheci diversos ceramistas e líderes de todo o país. Vi que em cada estado o setor tem características próprias – seja pela tradição no estado, pelas características de mercado ou pela própria estrutura das empresas – e percebi que o grau de proatividade dos líderes empresariais é um importante fator de diferenciação.

Nesse tempo, tive a chance de atuar como empreendedor, como estudante e, principalmente, como apaixonado por cerâmica. Em cada uma dessas atividades, chegava um ponto em que, estando sozinho, as barreiras começavam a aparecer. As informações sobre o setor no estado eram poucas, as empresas não atuavam em conjunto e os obstáculos apareciam sempre que se tentava avançar em algum tema. Frases como “Isso sempre foi assim” eram bem frequentes. Como sempre acreditei que se atuarmos com determinação e união podemos construir nosso futuro e atingir nossos objetivos, decidi tentar não trabalhar mais sozinho, mas atuar coletivamente para a mudança. A partir daí, deixei de ver os demais ceramistas como concorrentes e passei a vê-los como parceiros.

Acredito que o trabalho associativo vai além da entrega de produtos e serviços às indústrias representadas. A função essencial de um sindicato é ser um canal para que as organizações possam se doar, trabalhar em conjunto, para que possam definir e defender os melhores caminhos para o crescimento sustentável, não só da sua base de representação, mas de toda a sociedade.

 

Agência CNI de Notícias – Como a interação com outros sindicatos, por meio dos Intercâmbios e dos grupos de WhatsApp da Rede Sindical, tem lhe auxiliado a aprimorar a gestão do Sindicer?

João Neto – As duas edições já realizadas do Intercâmbio de Lideranças Setoriais da Indústria Cerâmica trouxeram maior união ao setor. Encontrar um grupo grande de presidentes de sindicatos e, com base numa metodologia bem definida, poder discutir temas de interesse do setor e trocar experiências de gestão é uma experiência incrível de aprendizado e crescimento para qualquer gestor sindical.

Como exemplo, no último encontro, em Mato Grosso, conseguimos mobilizar todos os presentes a assinar uma carta para demandar uma maior articulação do setor com a CNI. A carta foi encaminhada por diversas federações ao presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. O resultado já foi positivo, pois passamos a ter assento no Conselho Temático de Política Industrial e Desenvolvimento Tecnológico (Copin) da Confederação, que tem por função monitorar a aplicação das políticas industriais e dos incentivos à inovação.

Sobre a Rede Sindical, acredito que a tecnologia nos traz cada vez maior interação, e se bem utilizada, pode também contribuir pars o desenvolvimento setorial. A ferramenta utilizada pela CNI para integração dos membros de sindicatos e associações do nosso setor, de vários estados do país, tem nos trazido uma velocidade ímpar na obtenção de informações essenciais para o andamento de nossos projetos. Se antes precisaríamos de uma série de telefonemas e e-mails para obter esse tipo de informação, hoje basta enviar uma mensagem no grupo de Whatsapp da Rede Sindical.

É a partir das experiências vivenciadas pelos colegas que vamos montando novas estratégias, adaptadas a nossa realidade local. Com as melhores práticas de outros sindicatos, que eventualmente são compartilhadas na Rede Sindical, abrimos nossos olhos também para situações que podem ser bem aplicadas ao nosso meio.

Mesmo os líderes sindicais mais experientes podem se surpreender ao ver que projetos que outrora não funcionaram em seu estado estão hoje dando certo em seus vizinhos, gerando assim um novo ciclo de aprimoramento contínuo. Fico feliz ao ver que, cada vez mais, os participantes da Rede Sindical passam a fazer melhor uso da ferramenta, compartilhando erros e acertos, e garantindo, inclusive, uma melhor rota para os que assumem o papel de liderar os sindicatos.

Fonte: CNi Agência de Notícias